NOVIDADES
Carrosséis — É interessante

Factores de Risco em Negócios Relacionados com Atracções para Crianças

Os investimentos financeiros na área de entretenimento provaram o seu valor em todo o mundo e Portugal não é uma excepção. A fim de obter o lucro esperado e evitar dificuldades, deve ter sempre em mente os riscos inerentes ao negócio de atracções infantis. O risco inicial é a escolha do seu primeiro parque temático. Muitas vezes, os novatos nesta área de negócio são atraídos por uma das duas tendências opostas. Ou há a tendência para economizar em tudo e começar com uma ou duas atracções mais baratas, ou, pelo contrário, tentar cobrir tudo e comprar um monte de atracções, normalmente destinados a públicos diferentes. A primeira tendência é prejudicial por vários motivos. Por princípio, não se deve economizar na qualidade, porque a segurança está intimamente ligada ao prestígio e lucros do proprietário.

Tanto a estética como a originalidade da atracção devem desempenhar um papel decisivo na sua escolha, tendo em conta que não tem o monopólio do negócio e que a competição é feroz. Ao adquirir só um carrossel ou um trampolim, sairá a perder quando entrar em competição com outros proprietários de mini-complexos de diversões, onde não só há carrosséis e trampolins, mas muitas outras atracções. A segunda tendência é diametralmente oposta à primeira. Não se deve investir de uma vez para todas as faixas etárias. A princípio, será mais razoável escolher um grupo específico de público e tentar o seu melhor para satisfazer as suas exigências. As crianças com idade de 3 a 7 anos não apreciarão as atracções pressupostas para crianças com idades compreendidas entre os 12 e 15 anos e vice-versa. Vamos analisar outros factores que podem criar obstáculos no seu caminho, como proprietário de um parque de diversões. Para atracções ao ar livre, o primeiro problema pode ser o clima. Este factor é especialmente verdadeiro para aqueles que têm atracções insufláveis. Para trampolins fixos e complexos de trampolins, é terrível a possibilidade de chuva. No caso de atracções de água, é o frio ou a ameaça de mau tempo. Em caso de mudanças do clima, os seus clientes devem ter a oportunidade de permanecer no local e continuar com o seu lazer. Logo, deverá ter um café de Verão. Em qualquer empresa, outro factor importante é a equipa de trabalho.

Quanto maior for o parque, mais funcionários terá de contratar e mais complexa a sua organização. A variante ideal é uma equipa composta por um técnico (para serviços de atracção insufláveis. Como regra, serão suficientes duas pessoas), o cobrador de bilhetes, um animador para as crianças e um vendedor. Não é obrigatório que tenham qualquer tipo de especialidade, mas devem ser obrigados a seguir à letra as regras de funcionamento e manutenção das normas de segurança constantes no manual de instruções que acompanham cada máquina. Enquanto isso, o animador deve dar aos clientes a ajuda mais valiosa – cuidar de seus filhos e dar aos pais a oportunidade de descansar um pouco. Para isso é necessário ter uma gama muito diversificada de jogos e entretenimento, alguma experiência de ensino e capacidade de conviver com crianças. No entanto, o factor de risco mais importante nesta área de negócio foi, é e continuará sendo, dadas as características desta indústria, a questão da segurança. O principal objectivo é manter, constantemente, as atracções num estado ideal e não permitir, por nenhuma razão, que os clientes violem regras de segurança. O mesmo deve ser exigido dos trabalhadores: todas as regras para a exploração das máquinas devem ser devidamente cumpridas.